Seguidores

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

TIPOLOGIA EXTRATERRESTRE

Por Reinaldo Stabolito

           Ao abordarmos uma tentativa de classificação dos supostos tripulantes dos UFOs, estamos entrando num campo minado. Sem dúvida, essa temática é uma das mais controversas na ufologia. Basicamente não há quaisquer provas concretas dos dados. Estamos lidando exclusivamente com os depoimentos de testemunhas que são, por definição, subjetivos e vulneráveis a uma série de variáveis e distorções (clique com seu mouse em A Testemunha – Fator Crítico da Investigação Ufológica). Isto nos leva incondicionalmente para premissas que podem ou não estar corretas com a realidade do fenômeno de fato.

          Poucos pesquisadores de renome no circuito internacional ousaram tentar classificar os supostos tripulantes dos UFOs. Podemos citar um estudo sobre os extraterrestres realizados pelo doutor Jacques Vallée, em 1964. Segundo o estudo de Vallée, basicamente podem estabelecer-se três grupos de seres diferenciados. De 100 seres descritos em 80 incidentes compilados por Vallée, 04 eram "gigantes", 52 foram qualificados como iguais aos "homens" e 44 eram "anões". Outros trabalhos destacáveis pelos seus métodos científicos são os de Geneviece Vanquelef, dedicados à relação de aparência e comportamento; o de Edwards, relativo à fonética e linguagem dos supostos humanóides e do espanhol Vicente Olmos, que oferece o panorama dos encontros com "ocupantes de UFOs" que foram recopilados pelos investigadores ibéricos.

           Mas, até hoje, o estudo científico mais completo é os 230 casos catalogados pelo brasileiro Jader Pereira. Embora apresente defeitos de método, Jader Pereira estabeleceu pautas para uma classificação básica dos diferentes humanóides obedecendo especialmente a características de forma. Segundo seu estudo, há 12 categorias básicas com 23 variações (clique com seu mouse em Tipologia Humanóide de Jader Pereira).

           Conforme os critérios de Jader Pereira, cinco pontos distintos serviram como indicadores da credibilidade dos casos: número de testemunhas, conceito das testemunhas, outras testemunhas de avistamento somente do ufo (que se supõe que esteja relacionado com o avistamento do humanóide), evidências posteriores (marcas no solo, radiotividade, etc) e, finalmente, nível de investigação realizada. Com a classificação realizada seguindo esses critérios, Jader centrou sua atenção em pontos que ele considerou como "críticos" para determinar categorias: utilização de equipamentos protetores como escafandro, as características métricas dos seres, suas aparentes formas anatômicas e seus comportamentos.

           Num primeiro momento, essa excessiva variedade de formas dos supostos tripulantes dos UFOs parece ser um indicador de que estamos diante de muitas civilizações diferentes entre si. Aimé Michel comentou, em certa oportunidade, que a diversificação de formas observadas na anatomia dos humanóides requeria uma multiplicidade de origens.

           Porém, até certo ponto, temos um padrão: a constituição anatômica é, na maioria esmagadora das vezes, humanóide (cabeça, tronco e membros) com uma infinidade de variações em determinadas características anatômicas. Devemos nos perguntar se essa infinidade de variações anatômicas como,por exemplo, cor de pele e estaturas diversas, não passa de diversidades dentro de uma mesma espécie. Nós, os homo sapiens sapiens, também apresentamos uma infinidade de variações: somos brancos, negros, pardos, etc; também temos exemplares que são de estatura alta, outros de estatura baixa e até anões; temos exemplares que são magros e outros que são gordos. No entanto, todos somos seres humanos – é claro! Esse talvez seja um dos elementos de suma importância e que parece ignorado no estudo de Jader Pereira: a possível diversidade anatômica que pode existir em uma mesma forma de vida – sendo desnecessário classificá-los um a um. Essa questão, de uma certa forma, fez com que o estudo de Jader Pereira seja impraticável, uma vez que há uma infinidade de classificações tornando o seu uso nada pragmático e viável.

           Também não há como não mencionar que existem critérios que são um tanto quanto duvidosas pelo estudo de Jader Pereira, como classificar um humanóide em uma nova categoria pelo simples fato deste estar usando cabelos cumpridos (Tipo 3, com três variações subseqüentes – Ver boxe no link acima). Esse elemento é realmente relevante? Um ser humano, por exemplo, que usa cabelos cumpridos merece estar em uma nova categoria num estudo voltado principalmente para as características anatômicas? No nosso caso, os terrestres, isso é uma mera questão de gosto de estética individual. Assim, algumas premissas usadas para realizar a classificação do estudo de Jader Pereira são bastante discutíveis.

           Mas mesmo com alguns métodos questionáveis, ninguém pode negar que Jader Pereira foi um pioneiro e que serviu de referência até no circuito internacional. Eric Zurcher, com seu livro "Les apparitions d'humanoides" (As Aparições de Humanóides), baseando-se principalmente nos estudos de Jader Pereira, fez uma autópsia da gigantesca "onda UFO" internacional, ocorrida no ano de 1973. Conforme os estudos de Zurcher, os seres foram classificados da seguinte forma:

GRUPO 01 – (16%) Seres cuja morfologia é idêntica à humana.
GRUPO 02 – (34%) Seres de pequena altura.
GRUPO 03 – (05%) Seres com abundância de pêlos.
GRUPO 04 – (03%) Seres masculinos com longos cabelos.
GRUPO 05 – (29%) Seres com capacete ou escafandro.
GRUPO 06 – (01%) Ciclopes.
GRUPO 07 – (06%) Seres sem formas definidas.
GRUPO 08 – (07%) Reúne as formas não antropóides (geométricas, amorfas, etc).

           Mas deixando de lado as possíveis diversidades anatômicas que uma forma de vida pode comportar, vamos buscar um parâmetro mais generalizado e, sem dúvida, mais pragmático e compatível atualmente com a classificação da casuística. Claudeir Covo e Paola Lucherini Covo realizaram a classificação de tipologia humanóide, no site INPU (www.inpubr.com.br) com uma freqüência estimada em porcentagens na casuística ufológica. Essa classificação determinou seis categorias distintas, sendo que a generalização é o conceito básico e que pressupõe a admissão de uma vasta variedade de formas em uma mesma categoria:

TIPO ALFA – Mais conhecidos como "grays" (cinzas), são seres de pequenas estaturas, variando entre 1,00 a 1,40 metros de altura, os quais normalmente fazem as abduções de seres humanos. Tem cabeça grande, desproporcional ao corpo. Normalmente não tem nenhum pêlo no corpo. Os olhos, de um modo geral, são grandes e negros, sem pupilas aparentes. Aparecem em 67% dos casos.

TIPO BETA – São seres relativamente parecidos com os seres humanos, com alturas variando aproximadamente entre 1,60 a 2,00 metros. Em outras palavras, se colocarem terno e gravata, irão passar desapercebidos no meio da multidão. Aparecem em 19% dos casos.

TIPO GAMA – São seres gigantescos, com alturas acima de 2,00 metros, chegando em alguns casos até 4,00 metros. Aparecem em 8% dos casos.

TIPO DELTA – Normalmente são descritos como sendo seres peludos (animais) ou simplesmente robôs. Aparecem em 3% dos casos.

TIPO ÔMEGA – São seres não físicos, normalmente descritos como seres energéticos. Aparecem em 2% dos casos.

TIPO SIGMA – Em poucos casos de ocorrência de avistamento de seres têm sido relatados pequenos seres com aproximadamente 15 centímetros de altura, os quais podem ter sido confundidos com animais. Aparecem em 1% dos casos. Na realidade, essa porcentagem é bem menor que 1% e aqui foi simplesmente arredondada para número inteiro.

           É sempre importante mencionar que estamos trabalhando com elementos especulativos e dedutivos. Nada impede que existam alguns casos onde o ser humanóide não se enquadre em nenhuma das categorias da classificação acima – as exceções à regra. Mas, de um modo geral e assumindo a possibilidade de uma enorme diversidade anatômica de uma mesma forma de vida, a classificação descrita acima é, até agora, o instrumento mais compatível e aplicável. Por exemplo: na época da divulgação do Caso Varginha, Ubirajara Franco Rodrigues e Claudeir Covo classificaram os seres como sendo do tipo "DELTA" (clique com seu mouse em O Caso Varginha).

           Um exemplo de exceção à regra é um caso clássico da casuística ufológica brasileira e que envolve um ser descrito como ciclope: O Caso Sagrada Família, ocorrido em 28 de agosto de 1963, no bairro Sagrada Família, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Neste caso os meninos Fernando, Ronaldo e José Marcos Gomes Vidal estavam no quintal de casa quando um UFO esférico transparente ficou flutuando sobre o local. Devido à sua transparência, ficou visível quatro seres alienígenas que eram bastante parecidos conosco se não fosse um detalhe curioso: ao invés de dois olhos, eles teriam um único olho no meio da testa, como um ciclope.

          Subitamente, o objeto lançou dois feixes de luz amarela para baixo, formando duas colunas de luz. E eis que entre esses dois feixes de luz amarela desce um dos alienígenas flutuando lentamente para baixo. Houve uma tentativa de contato através de gestos e palavras inteligíveis e, ainda, uma dos meninos tentou jogar uma pedra no ser. No entanto, um feixe de luz projetado pela criatura impediu que esse ato de agressão fosse concluído. E o ser permaneceu lá, diante dos três meninos, falando sem parar em um idioma totalmente incompreensível. Foi neste momento que os meninos puderam reparar bem o alienígena. Ele tinha um único olho no meio da testa bem grande, escuro, sem esclerótica, na base do nariz. Havia um risco que parecia ser a pupila, que se destacava por ser mais escuro ainda e sobre o único olho uma mancha que parecia ser a sobrancelha. O rosto era todo vermelho. Foi possível perceber alguns dentes conforme o alienígena abria a boca enquanto falava. Ele usava uma espécie de escafandro e tinha a cabeça envolvida num capacete redondo e transparente, através do qual seu rosto era bem visível. Já a roupa que o alienígena estava usando era de cor marrom até a cintura, branca até os joelhos e depois preta (como se fosse uma espécie de bota). Suas vestimentas pareciam ser feitas de couro ou algo similar e tinha várias "rugas" nas partes correspondentes aos membros e tórax. Ainda, os meninos descreveram que havia uma caixa grudada nas costas de cor de "cobre". Depois de alguns instantes, o ser voltou para o interior do UFO e este, por sua vez, foi embora.

           Mas os humanóides são como as testemunhas oculares afirmam que são ou estamos diante de uma interpretação limitada pelo nosso escasso conhecimento de um fenômeno que parece transcender tudo o que sabemos? Todas as tentativas de classificação buscam, antes de qualquer coisa, um padrão que possa servir de generalização. No entanto, a manifestação do aspecto físico parece sofrer uma série de variáveis. Talvez devêssemos transcender a classificação pelo aparente aspecto físico e buscar outras associações que possam nos apresentar novos indicadores.

Reinaldo Stabolito é ufólogo e Coordenador Geral do INFA