Seguidores

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Morte das crianças em tenra idade e dos Jovens

            Pode ser tão adiantado quanto o de um adulto o Espírito de uma criança que morreu em tenra idade. Algumas vezes o é muito mais, porquanto pode dar-se que muito mais já tenha Espírito de uma criança ser mais adiantado que o de seu pai

    A curta duração da vida da criança pode representar, para o Espírito que a animava, o complemento de existência precedentemente interrompida antes do momento em que devera terminar, e sua morte, também não raro, constitui provação ou expiação para os pais.

            Quando um corpo morre poucos dias depois de nascido e que o ser não tem então consciência plena da sua existência, a importância da morte é quase nenhuma. Conforme já dissemos, o que há nesses casos de morte prematura é uma prova para os pais.

         Não se pode ser dispensado da experiência da vida terrestre.

    • A ausência de contato assegura um rápido acesso às esferas de purificação; (Ver: Evolução espiritual)
    • mas a ausência de experiência e de saber impõe um preparo e educação aos Espíritos, cujo encargo especial é dirigir essas tenras almas e suprir o que lhes falta.

            Não há vantagem em ser retirado da vida terrestre, salvo no caso de mal empregar as ocasiões oportunas, ocasionando grande perda de tempo e retardando o progresso. A alma que mais ganha é a que se consagra à tarefa que lhe é conferida, que_trabalha_com_zelo_pelo_seu_próprio_aperfeiçoamento  e  pelo_bem_das_outras, que ama e serve a Deus, e segue a direção dos seus_guias. Essa alma progride rapidamente, tem menos coisas a retificar. Toda vaidade e egoísmo sob qualquer forma que seja, toda inércia e indulgência pessoal embaraçam o progresso. Nada dizemos do vício nem do pecado, nem da recusa obstinada em aprender e ser instruído. Amor_e_Ciência ajudam a alma. A criança pode ter uma dessas coisas, mas a outra só a obterá pela educação, freqüentemente adquirida ligando-se a um médium e vivendo assim uma nova vida terrestre. Muitas almas de crianças que teriam sido expostas à tentação, a penosas provações, deixam a Terra, sem máculas, ganhando assim em pureza o que perderam em conhecimentos. Mas o espírito que lutou e venceu é o mais nobre; purificado pela provação, sobe à esfera reservada às almas que combateram com êxito. Tal experiência é necessária e, com o fim de consegui-la, inúmeros Espíritos escolhem a volta a esse planeta para obter o que lhes falta, ligando-se a um médium.

    • é preciso a um a cultura das afeições;
    • a outro, o sofrimento e a aflição;
    • a este, a cultura mental,
    • àquele, dominar, limitar as impulsões do espírito e equilibrá-las.

            Todos os Espíritos que voltam, exceto os que, como nós, estão encarregados_de_determinada_missão, têm um fim imediato a atingir; associando-se a nós e a vós, adiantam-se, o que é desejo dominante do Espírito. Mais progresso! Mais saber! Mais amor! Até que, arrancado o joio, possa sua alma largar o vôo cada vez mais alto para o Supremo.

    Médium: William Stainton Moses - (1839 - 1892)

    Muitas existências são frustradas no berço, não por simples punição externa da Lei Divina, mas porque a própria Lei Divina funciona em todos nós, desde que todos existimos no hausto do Criador.

            Freqüentemente, através do suicídio, integralmente deliberado, ou do próprio desregramento, operamos em nossa alma calamitosos desequilíbrios, quais tempestades ocultas, que desencadeamos, por teimosia, no campo da natureza íntima.

            Ante o impacto da desencarnação provocada, semelhantes recursos da alma entram em pavoroso colapso, sob traumatismo profundo, para o qual não há termo correlato na diagnose terrestre.

            Indescritíveis flagelações, que vão da inconsciência descontínua à loucura completa, senhoreiam essas mentes torturadas, por tempo variável, conforme as atenuantes e agravantes da culpa, induzindo as autoridades superiores a reinterna-las_no_plano_carnal, quais enfermos graves, em celas físicas de breve duração, para que se reabilitem, gradativamente, com a justa cooperação dos Espíritos reencarnados, cujos débitos com eles se afinem.

    • Eis por que um golpe suicida no coração, acompanhado pelo remorso, causará comumente diátese hemorrágica, com perda considerável da protrombina do sangue, naqueles que renascem para tratamento de recuperação do corpo espiritual em distonia;

    • o auto-envenenamento ocasionará, nas mesmas condições, deploráveis desarmonias nas regiões psicossomáticas correspondentes à medula vermelha, conturbando o nascimento das hemácias, tanto em sua evolução intravascular, dentro dos sinusóides, como também na sua constituição extravascular, no retículo, gerando as distrofias congênitas do eritrônio com hemopatías diversas;

    • os afogamentos e enforcamentos, em identidade de circunstâncias, impõem naqueles que os provocam os fenômenos da incompatibilidade materno-fetal, em que os chamados fatores Rh, de modo geral, após a primeira gestação, permitem que a hemolisina alcance a fronteira placentária, sintonizando-se com a posição mórbida da entidade reencarnante, a se externarem na eritroblastose fetal, em suas variadas expressões;

    • e o voluntário esfacelamento do crânio, a queda procurada de grande altura e as viciações do sentimento e do raciocínio estabelecem no veículo_espiritual múltiplas ocorrências de arritmia cerebral, a se revelarem nos doentes renascituros, através da

      • eclampsia e da tetania dos latentes,

      • da hidrocefalia,

      • da encefalite letárgica,

      • das encefalopatías crônicas,

      • da psicose epiléptica,

      • da idiotia,                 (Ver: Débil mental

      • do mongolismo        (Ver: Expiação

      • e de várias morboses oriundas da insuficiência glandular.

    Claro está que não relacionamos nessa sucinta apreciação os problemas do suicídio associado ao homicídio, os quais, muita vez, se fazem seguidos, em reencarnação posterior do infeliz, por lamentáveis reações, com a morte acidental ou violenta na infância, traduzindo estação inevitável no ciclo do resgate.

            No que tange, porém, às moléstias mencionadas, surgem todas elas nos mais diferentes períodos, crestando a existência do veículo físico, via de regra, desde a vida “in utero” até os dezoito e vinte anos de experiência recomeçante e, como vemos, são doenças secundárias, porquanto a etiologia que lhes é própria reside na estrutura complexa da própria alma.

            Urge ainda considerar que todos os enfermos dessa espécie são conduzidos a outros enfermos espirituais — os homens e as mulheres que corromperam os próprios centros_genésicos pela delinqüência emotiva ou pelos crimes reiterados do aborto_provocado, em existências do pretérito próximo, para que, servindo na condição de atendentes e guardiães de companheiros que também se conspurcaram perante a Eterna Justiça, se recuperem, a seu turno, regenerando a si mesmos pelo amoroso devotamento com que lutam e choram, no amparo aos filhinhos condenados à morte, ou atormentados desde o berço.

            Segundo observamos, portanto, as existências interrompidas, no alvorecer do corpo denso, raramente constituem balizas terminais de prova indispensável na senda humana, porque, na maioria dos sucessos em que se evidenciam, representam cursos rápidos de socorro ou tratamento do corpo_espiritual desequilibrado por nossos próprios excessos e inconseqüências, compelindo-nos a reconhecer, com o Apóstolo Paulo (*), que o nosso instrumento de manifestação, seja onde for, é templo da Força Divina, por intermédio do qual, associando corpo e alma, nos cabe a obrigação de aperfeiçoar-nos, aprimorando a vida, na exaltação constante a Deus.

    Uberaba-MG, 18/6/1958.

    (*) I Coríntios, 6:19-20  (Nota do Autor espiritual)

    Orientações passadas a um espíritos, momentos antes da sua reencarnação:

            "Lave a sua mente na água viva da confiança em Deus, e caminhe. Para a nova experiência você não pode levar senão o patrimônio divino já adquirido com o seu esforço para a vida eterna, constituído pelas idéias eliecedoras e pelas luzes íntimas que o seu espírito já conquistou. Não se detenha, desse modo, em lembranças dos aspectos exteriores de nossas atividades neste plano. Persistir em semelhantes estados d´alma poderá trazer conseqüências muito graves, porquanto a sua inadaptação perturbaria o desenvolvimento fetal e determinaria a morte prematura de seu novo aparelho_físico, no período infantil. Não se prenda a receios pueris. É verdade que você deve e precisa pagar, mas, em sã consciência, qual de nós não é devedor? Com tristeza e abatimento nunca resgataremos nossos débitos. É indispensável criar esperanças novas."

    André Luiz

            As entidades que necessitam de tais lutas expiatórias (morte prematura) são encaminhadas aos corações que se acumpliciaram com elas em delitos lamentáveis, no pretérito distante ou recente ou, ainda, aos pais que faliram junto dos filhos, em outras épocas, a fim de que aprendam na saudade cruel e na angústia inominável o respeito e o devotamento, a honorabilidade e o carinho que todos devemos na Terra ao instituto da família.

    André Luiz

            Por morte da criança o Espírito readquire, imediatamente, o seu precedente vigor. Assim tem que ser, pois que se vê desembaraçado de seu invólucro corporal.  Entretanto, não readquire a anterior lucidez, senão quando se tenha completamente separado daquele envoltório, isto é, quando mais nenhum laço exista entre ele e o corpo.