Seguidores

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Pouso em Saskatchewan

Um interessante caso de pouso com vestígios físicos ocorrido no Canadá

Dados Gerais

Local
Lagenburg, Saskatchewan, Canadá

Data e Hora
manhã de 1º de setembro

Nº de Testemunhas
1 principal e algumas secundárias

Tipo
pouso de OVNIs com vestígios físicos

Em setembro de 1974, ocorreu um interessante caso ufológico com vestígios físicos, na região de Langenburg, Saskatchewan, Canadá. Na manhã de 1º de setembro, um domingo, Edwin Fuhr, dono de uma fazenda, em uma área rural de Lagenburg, trabalhava em uma plantação de colza. Por volta das 10:45, o agricultor percebeu que havia um objeto em forma de disco, com cúpula plainando sobre a plantação, a uns 50 metros de onde se encontrava. Ele pensou que tratava-se de uma brincadeira de seus vizinhos, então saltou de seu trator e seguiu na direção do objeto, chegando até quatro metros deste. Quando estava próximo ao objeto, ele percebeu que ele girava em seu eixo, lentamente, flutuando a aproximadamente 30 centímetros do chão. Assustado, Fuhr afastou-se lentamente, sem dar as costas para o objeto. Ao chegar novamente no trator, embarcou nele e só então percebeu que haviam mais quatro objetos idênticos, todos girando em sentido horário.

"Todos estavam girando, todos os quatro. Fiquei sentado na ceifadeira como seu estivesse petrificado, não conseguia mover um músculo sequer... Fiquei sentado ali durante... uns quinze ou vinte minutos, não estou certo. De um deles, alguma coisa estava examinando a relva ao redor.. Parecia, oh, acho que devia ter o tamanho de uma moeda de cinquenta centavos, parecia uma sonda, e a relva estava toda retorcida e podia-se ver marcas como se alguma coisa tivesse saltado aqui e ali, por todos os cantos.

Então todos subiram direto, calculo uns 200 pés de altura, e ali pararam. Quando alcançaram a marca dos duzentos pés, pararam de girar e soltaram um vapor, uma descarga. Esta devia ter cerca de seis pés de comprimento, parecia um vapor, e saía de duas vigias na parte inferior.

Podia-se ver que tinham umas doze polegadas de diâmetro e todas eram idênticas. Os objetos estavam alinhados numa espécie de formação em degraus, sendo que o que estava mais embaixo foi o ultimo à subir... E depois disto, eu diria apenas um segundo mais tarde, senti um vento que vinha para baixo, uma pressão que achatou a colza que estava ereta e pensei: 'Oh, lá se vai minha colheita'. Eles levaram apenas alguns segundos para alcançar aquela altura (duzentos pés), em seguida ficaram imóveis e, depois disto, penetraram em meio às nuvens e foram embora

A tonalidade do aparelho era semelhante ao aco inoxidável escovado. Ele era desigual e, enquanto girava, dava a impressão de ser todo sulcado; podia-se ver uma espécie de sulcos, que eram cinza mais escuro... como se tivesse estado quente, como o aço que esquenta e depois esfria".

Algum tempo após a partida da nave, Fuhr dirigiu-se até o local onde os objetos haviam estado. Ali haviam 5 círculos, perfeitos. Dentro destes círculos as plantas estavam dobradas e retorcidas em sentido horário.

Mais tarde, Fuhr contou o fato à seus familiares. Seu cunhado entrou em contato com a Polícia Montada que enviou um destacamento ao local logo no dia seguinte. O encarregado da investigação do caso foi Ron L. Morier, que mais tarde declarou:

"Fui até o local, onde conversamos com Eswin Fuhr e examinamos os desenhos circulares deixados pelos discos. Havia cinco círculos distintos, causados por alguma coisa que deixara escapar e que só podia ser um ar carregado ou uma pressão de descarga sobre a relva alta.

Não há possibilidade de se tratar de uma fraude. Acho impossível que qualquer coisa com rodas pudesse entrar e sair daquele campo sem ter deixado algum rastro. Seja la o que esteve ali, veio do ar e foi embora da mesma maneira, esta é a minha opinião".

Edwin Fuhr apontando para uma das marcas encontradas em sua fazenda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ADICIONE SEU COMENTÁRIO AQUI