Seguidores

terça-feira, 12 de agosto de 2014

MENTE DESENCARNADA

Indagas se a mente desencarnada pode adoecer... Que pergunta! 

  • Cuidas que a maldade deliberada não seja moléstia da alma?

  • Que o ódio não constitua morbo terrível?

  • Supões, porventura, não haja «vermes mentais» da tristeza e da inconformação?

Embora tenhamos a felicidade de agir num corpo mais sutil e mais leve, graças à natureza de nossos pensamentos e aspirações, já distantes das zonas grosseiras da vida que deixamos, não possuímos ainda o cérebro dos anjos. 

  • Constitui-nos incessante trabalho a conservação de nossa forma atual, a caminho de conquistas mais alcandoradas;

  • não podemos descansar nos processos iluminativos;

  • cumpre-nos purificar sempre, selecionar pendores e joeirar concepções, de molde a não interromper a marcha.

Milhões vivem aqui, na posição em que nos achamos, mas outros milhões permanecem na carne ou em nossas linhas mais baixas de evolução, sob o guante de atroz demência. É para esses que devemos cogitar da patologia do espírito, socorrendo os mais infelizes e interferindo fraternal e indiretamente na solução de problemas escabrosos em cujos fios negros se enredam. São duendes em desespero, vítimas de si mesmos, em terrível colheita de espinhos e desilusões. O corpo perispiritual humano, vaso de nossas manifestações, é, por ora, a nossa mais alta conquista na Terra, no capítulo das formas

  • Para as almas esclarecidas, já iluminadas de redentora luz, representa ele uma ponte para o campo superior da vida eterna, ainda não atingido por nós mesmos;

  • para os espíritos vulgares, é a restrição indispensável e justa;

  • para as consciências culpadas, é cadeia intraduzível, pois, além do mais, registra os erros cometidos, guardando-os com todas as particularidades vivas dos negros momentos da queda.

O gênero de vida de cada um, no invólucro_carnal, determina a densidade do organismo_perispirítico_após_a_perda_do_corpo_denso. Ora, o cérebroé o instrumento que traduz a mente, manancial de nossos pensamentos. Através dele, pois, unimo-nos à luz ou à treva, ao bem ou ao mal.

André Luiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ADICIONE SEU COMENTÁRIO AQUI