Seguidores

sábado, 22 de outubro de 2011

Mudança climática e desmatamento poderão causar prejuízos irreversíveis na Amazônia

Ambiente  -  Veja  Abril

Estudo analisou dados de satélite e identificou as regiões mais sensíveis à influência humana e à alteração dos regimes de chuva

Marco Túlio Pires
O desmatamento na região amazônica e a falta de chuvas poderá transformar, permanentemente, parte da floresta em savana

O desmatamento na região amazônica e a falta de chuvas poderá transformar, permanentemente, parte da floresta em savana (iStockphoto)

A floresta amazônica e outras regiões tropicais poderão sofrer alterações abruptas por causa das mudanças climáticas, passando de florestas densas a savanas, e de savanas a estados com total ausência de árvores, segundo estudo realizado por cientistas da Universidade de Wageningen, Holanda, e publicado no periódico Science.

Veja entrevista com o climatologista Antônio Nobre

A equipe da cientista brasileira Marina Hirota mostra a fragilidade de florestas tropicais e savanas em função da quantidade de cobertura arbórea e de chuvas em três continentes: África, Austrália e América do Sul. Dentre as áreas mais sensíveis está a região amazônica. Os autores utilizaram os resultados dessas relações para prever onde florestas e savanas são mais vulneráveis a mudanças nos regimes de chuva.

De acordo com a pesquisa, o sul da Amazônia, conhecido como "arco do desmatamento", por causa da pressão que a ocupação humana exerce na região, poderá deixar de ser floresta para se transformar permanentemente em savana. A região é afetada pela constante remoção ilegal de árvores. A transformação, sugere o estudo, é potencializada por causa das mudanças climáticas.

Saiba mais

SAVANA
A savana é uma região cuja vegetação predominante é de árvores esparsas, arbustos isolados e gramíneas. O cerrado brasileiro é um tipo de savana.

TIPPING POINTS
Os "tipping points" são pontos geralmente sem volta, quando um ambiente entra em transição para se transformar em outro, uma savana em deserto, por exemplo.

De acordo com a pesquisa, a vegetação mundial se alterna entre três tipos: florestas, savanas e estados com ausência de árvores, com picos de aproximadamente 80%, 20%, e menos de 5% de cobertura arbórea, respectivamente. "Nossa teoria afirma que as florestas podem se transformar diretamente em uma savana, o que chamamos de tipping points, ou pontos de inflexão do sistema. Quando isso acontece, geralmente não há mais volta", diz Marten Scheffer, um dos autores da pesquisa. "Ficamos surpresos com a maneira como os dados apoiaram essa teoria dos estados alternativos."

Irreversível - O estudo também mostra os lugares do planeta onde há potencialmente os maiores riscos de colapso e as maiores oportunidades de recuperação da floresta. "Conforme um sistema se aproxima de um 'tipping point', ele se torna altamente vulnerável", diz Scheffer. "Perturbações relativamente pequenas, tais como um ano ligeiramente mais seco ou um desmatamento de pequena escala, podem disparar um transição crítica para outro estado de equilíbrio”.

Mas existe uma possibilidade de reverter o processo. Os resultados revelam que locais sem nenhuma cobertura arbórea poderiam se tornar savanas, por exemplo, por meio de técnicas de manejo. "A cobertura arbórea é um dos aspectos que mais definem a paisagem dos ecossistemas", diz Milena Holmgren, uma das autoras do estudo e especialista em ecologia vegetal. “No entanto, é surpreendente quão pouco entendemos as condições que determinam a existência de florestas, savanas ou desertos”. 

A especialista explica que o volume das chuvas é um dos poucos fatores conhecidos. "Desertos são encontrados em lugares mais secos e as florestas em lugares mais úmidos. Entretanto, o que ocorre em condições intermediárias vem sendo debatido por muito tempo”.

Amazônia - Um dos maiores desafios dos cientistas que estudam a região amazônica é compreender os potenciais impactos das mudanças climáticas na floresta. “Nosso estudo mostra que a floresta é mais vulnerável climaticamente em áreas em que a interferência humana negativa é muito alta", explica a pesquisadora Marina Hirota.

Ela se uniu à equipe de Wageningen após finalizar seus estudos no Brasil sobre a fragilidade da Amazônia associada às mudanças climáticas. "Esse tipo de informação pode ser utilizada em tomada de decisões, a partir da avaliação dos riscos e das oportunidades ligadas aos ecossistemas tropicais que ainda cobrem grandes porções do nosso planeta”.

http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/mudanca-climatica-e-desmatamento-poderao-causar-prejuizos-irreversiveis-na-amazonia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ADICIONE SEU COMENTÁRIO AQUI