Seguidores

domingo, 26 de junho de 2011

MÉRITO INTRANSFERÍVEL

 

Mérito Intransferível
 

Filhos, estais convictos de que, para os trabalhadores, o mérito do

trabalho é pessoal e intransferível.

 

Quem obedece e realiza lucra mais do que quem simplesmente ordena,

negando-se a ombrear com os companheiros que disputam o privilégio de

servir.

 

Sem dúvida, quem idealiza o bem, ensejando a outros oportunidade de

concretizá-lo, cumpre elevada função entre os homens, não olvidemos, no

entanto, que deve ser de seu interesse o envolvimento direto nas tarefas que

planeja.

 

Quem fala e ensina o caminho acende uma luz, mas quem ouve e se

dispõe a percorrê-lo ilumina-se com ela.

 

Digo-vos assim, a propósito de quantos costumam se queixar das

inúmeras atividades que são convidados a desempenhar na casa espírita...

Quantos não são os que se sentem sobrecarregados espiritualmente, chegando

mesmo a se imaginarem explorados na boa vontade que revelam?

 

Quantos não

são os que se afastam, por serem concitados a efetuarem, constantes doações

pecuniárias, em face das despesas inevitáveis para que o trabalho seja

sustentado?

 

Não acrediteis, sob qualquer pretexto, que a vossa bolsa, em nome da

caridade, se abre para poupar aqueles que ainda demonstram excessivo apego

aos bens materiais e tampouco admitais que, lavrando o campo do espírito,

alguém vos seja capaz de substituir no rosto o suor que devereis verter por vós

mesmos...

 

A Contabilidade Divina, que jamais se equivoca, se debita em vosso

nome o que passastes a dever aos cofres da Divina Providência, credita em

vosso benefício tudo quanto vos advém do próprio esforço.

 

Não vos canseis, pois, e nem vos desalenteis, quando, porventura, pesar

um tanto mais sobre os vossos ombros o lenho das obrigações espirituais que

abraçastes voluntariamente ou que vos foram delegadas por aqueles que se

renderam ao comodismo.

 

Recordai-vos das inolvidáveis palavras do Cristo:

 

"O Filho do Homem veio para servir, e não para ser servido".

 

Por conseguinte, somente quem serve desinteressadamente conhece a

alegria íntima que o serviço do bem pode proporcionar.

 

Filhos, agradecei aos Céus a oportunidade de já terdes sido admitidos

na vossa presente romagem terrestre, como os últimos dentre os últimos servos

do Senhor, dando assim inicio à jornada de vossa ansiada redenção espiritual.

 

Bezerra de Menezes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ADICIONE SEU COMENTÁRIO AQUI