Seguidores

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Andrew Jackson Davis

 

    Aos 19 anos de idade (quadro de 1847).

    http://www.brasileirosnoexterior.com/?q=Andrew_Jackson_Davis

    (18/08/1826 - 1910)

    http://www.terraespiritual.locaweb.com.br/espiritismo/biografia08.html

            Grande médium norte-americano, semi-analfabeto e sem cultura, mostrava grande inteligência sob ação dos espíritos.
            Considerando a obra de Emmanuel Swedenborg como uma antecipação doutrinária do Espiritismo em seu aspecto histórico, temos forçosamente que estabelecer uma ligação entre ela e a obra do médium norte-americano Andrew Jackson Davis. Enquanto Swedenborgera um sábio, Davis era semi-analfabeto, "fraco de corpo e mentalmente pobre", como nos informa Sir Arthur Conan Doyle. Apesar dessa contradição, Davis foi o continuador de Swedenborg e o precursor americano do Espiritismo. E esse fato é tão mais importante exatamente por essa contradição. Ela nos demonstra, com absoluta clareza, que o espírito domina a matéria e que o próprio conceito científico fica abalado diante do impacto das manifestações espíritas.
    Andrew Jackson Davis está distante de Emmanuel Swedenborg não apenas no espaço e no plano mental. Há entre eles a distância exata de um século e, além dessa distância temporal, há também a que já mencionamos acima, no plano da cultura intelectual. Vejamos um fato curioso:

    • Swedenborg desenvolve seus poderes mediúnicos em abril de 1744

    • e Davis, em março de 1844.

            De um a outro saltamos exatamente de meados do século 18 a meados do 19. Mas não damos esse salto sozinhos, uma vez que o espírito de Swedenborg nos acompanha. Vamos saber um pouquinho mais sobre a vida humilde e simples de Davis.
    Andrew Jackson Davis nasceu em 11 de agosto de 1826, num pequeno distrito de Nova York, e desencarnou em 1910, aos 84 anos de idade. Consta que sua mãe era uma pessoa vulgar, inculta e supersticiosa, enquanto seu pai era um alcoólatra, tendo Davis recebido uma educação bastante elementar. Nos últimos anos de sua infância, começaram a se desenvolver seus poderes psíquicos, passando a ouvir vozes gentis que lhe davam bons conselhos. Simultaneamente, ele teve desenvolvida, além da clariaudiência, a clarividência.

            Mas Davis não está ligado apenas a Swedenborg. Ele se apresenta na história do Espiritismo como um poderoso elo mediúnico que sustenta a unidade do processo doutrinário. No passado, ele se liga com o vidente sueco, mas no futuro vai se ligar com as irmãs Fox e comKardec. Quatro anos depois do encontro com Swedenborg, vemos Davis escrever em seu diário as anotações referentes à voz que lhe anuncia os fatos de Hydesville.

            Como estes fatos se ligam diretamente ao trabalho de Kardec, Davis também se liga a esse trabalho. Entretanto, a falta de visão do conjunto tem levado muitas pessoas a considerarem Davis um caso à parte. Chegou-se mesmo a propor a tese da existência de um "Espiritismo americano" iniciado por Davis, em oposição ao "Espiritismo europeu" de Allan Kardec...

            Durante dois anos continuou ditando os segredos da natureza, que foram compilados no livro Filosofia Harmônica, que teve mais de 40 edições nos Estados Unidos. A esta série seguiu-se mais uma, no final de sua vida, com o livro Revelações Divinas da Natureza, no qual prevê o aparecimento do Espiritismo como doutrina e prática mediúnica. É preciso considerar que Davis deixara o banco de sapateiro, sua profissão, dois anos antes e que ele, quando em estado normal, continuava totalmente ignorante e muito lento de entendimento e inteligência...

    Magaly Sonia Gonsales - Núcleo Fraterno Samaritanos

    http://www.ippb.org.br/modules.php?op=modload&name=News&file=article&sid=2658

    O PROFETA DA NOVA REVELAÇÃO

    ANDREW Jackson Davis foi um dos homens mais notáveis de que temos uma informação exata. Nascido em 1826 nas margens do Hudson, sua mãe era uma criatura deseducada, com tendências visionárias aliadas à superstição vulgar; seu pai era um borracho, trabalhador em couros. Escreveu detalhes de sua própria infância num livro curioso: "A Vara Mágica” que nos revela a vida primitiva e dura das províncias americanas na primeira metade do século passado. O povo era rude e deseducado, mas o seu lado espiritual era muito vivo: parecia estar sempre pronto para alcançar algo de novo. Foi nesses distritos rurais de New York que, no espaço de poucos anos, se desenvolveram oMormonismo e o Espiritismo.

    Jamais houve um rapaz com menos disposições favoráveis do que Davis. Era fraco de corpo e pobre de mente. Fora dos livros da escola primária apenas se lembrava de um livro que sempre lia até os dezesseis anos de idade. Entretanto naquela criatura mirrada dormiam tais forças espirituais que antes dos vinte anos tinha escrito um dos livros mais profundos e originais de filosofia jamais produzidos. Poderia haver mais clara prova de que nada tinha vindo dele mesmo e de que não passava de um conduto, através do qual fluía o conhecimento daquele vasto reservatório que dispõe de tão incompreensíveis dispositivos? O valor de uma Jeanne DArc, a santidade de uma Teresa, a sabedoria de um Jackson Davis, os poderes supranormais de um Daniel Home, tudo vem da mesma fonte.

    Nos seus últimos anos da infância começaram a se desenvolver os poderes psíquicos de Davis. Como Jeanne DArc, ouvia vozes no campo — vozes gentis que lhe davam bons conselhos e conforto. A clarividência seguiu essa clariaudiência. Por ocasião da morte de sua mãe, teve uma notável visão de uma casa muito amável, numa região brilhante, que imaginou ser o lugar para onde sua mãe tinha ido. Entretanto sua completa capacidade foi despertada por uma circunstância: veio a sua aldeia um saltimbanco que exibia as maravilhas do mesmerismo; fez uma experiência com Davis, e também com muitos outros jovens rústicos, que quiseram provar aquela sensação. Logo foi constatado queDavis possuía notável poder de clarividência.

    Estes não foram desenvolvidos pelo peripatético mesmerista, mas por um alfaiate local, um certo Livingstone, que parece ter sido um pensador avançado. Ele ficou tão intrigado com os dons do seu sensitivo que abandonou o seu próspero negócio e devotou todo o seu tempo ao trabalho com Davis, empregando a sua clarividência no diagnóstico de doenças. Davis havia desenvolvido essa força, comum entre os psiquistas, de ver sem os olhos, inclusive aquelas coisas que não podiam ser vistas pela visão humana. A princípio o dom era usado como uma espécie de divertimento, na leitura de cartas e relógios de uma assistência rústica, tendo o sensitivo os olhos vendados. Neste caso, qualquer parte do corpo pode exercer a função de ver. A razão disso talvez seja que o corpo_etérico_ou_espiritual, que possui os mesmos órgãos que o físico, esteja total ou parcialmente desprendido e registre a impressão. Desde que pode tomar tal atitude, ou andar à volta, pode ver de qualquer ponto. É uma explicação para casos como o que o autor encontrou no Norte da Inglaterra, onde Tom Tyrrell, o famoso médium, costumava andar à volta da sala, olhando os quadros, de costas para as paredes onde os mesmos estavam pendurados. Se em tais casos os olhos etéreos vêem os quadros, ou se vêem uma réplica etérea dos mesmos, temos um dos muitos problemas que deixamos à posteridade.

    Livingstone, a princípio, usou Davis para diagnósticos médicos. Descrevia como o corpo humano se tornava transparente aos seus olhos espirituais, que pareciam funcionar do centro de sua testa. Cada órgão aparecia claramente e com uma radiação especial e peculiar, que se obscurecia em caso de doença. Para a mentalidade médica ortodoxa, com a qual muito simpatiza o autor, tais poderes são passíveis de abrir uma porta para o charlatanismo e ainda o inclina a admitir que tudo quanto foi dito por Davis tivesse sido corroborado pela própria experiência de Mr. Bloomfield, de Melbourne, que descreveu ao autor a admiração de que ficou possuído, quando sua força se manifestou subitamente, na rua, lhe mostrando detalhes anatômicos de duas pessoas que andavam à sua frente. Tão bem verificados têm sido tais poderes, que não é raro verem-se médicos tomar clarividentes ao seu serviço, como auxiliares para o diagnóstico. Diz Hipócrates: “A alma vê de olhos fechados as afecções sofridas pelo corpo”. Assim, ao que parece, os antigos sabiam algo a respeito de tais métodos. As observações de Davis não se circunscreviam aos que se achavam em sua presença: sua alma_ou_corpo_etérico_podia_libertar-se pela ação magnética de seu empresário e ser mandada como um pombo correio, na certeza de que regressaria com a informação desejada. Além da missão humanitária em que geralmente se empenhava, às vezes vagava livremente; então descrevia, em magníficas passagens, como via a Terra translúcida, abaixo dele, com os grandes veios de depósitos minerais, como que brilhando através de massas de metal fundido, cada qual com a sua radiação peculiar.

            É notável que nessa fase inicial da experiência psíquica de Davis não tivesse ele a recordação daquilo que tinha visto em transe. Contudo, essa recordação era registrada no seu subconsciente e, posteriormente, a recuperava com clareza. Com o tempo tornou-se uma fonte de informações para os outros, posto que ficasse ignorante para si próprio.

            Até então o seu desenvolvimento se havia processado de maneira não incomum e que podia ser comparado com a experiência de qualquer estudioso de psiquismo. Foi quando ocorreu um episódio inteiramente novo e que é minuciosamente descrito na sua autobiografia. Em resumo, os fatos foram os seguintes. Na tarde de 6 de março de 1844, Davis foi subitamente tomado por uma fôrça que o fez voar da pequena cidade de Poughkeepsie, onde vivia, e fazer uma pequena viagem no estado de semitranse. Quando voltou à consciência, encontrava-se entre montanhas agrestes e aí, diz ele, encontrou dois anciãos, com os quais entrou em íntima e elevada comunhão, uma sobre medicina e outra sobre moral. Esteve ausente toda a noite; e quando indagou de outras pessoas na manhã seguinte, disseram-lhe que tinha estado nas Montanhas de Catskill, a cerca de quarenta milhas de casa. A história tem todas as aparências de uma experiência subjetiva, um sonho ou uma visão, e ninguém hesitaria em considerá-la como tal, se não fosse o detalhe de seu regresso e da refeição que tomou a seguir. Uma alternativa seria que o vôo para as montanhas fosse uma realidade e as entrevistas um sonho. Diz de que posteriormente identificou seus dois mentores como sendo Galeno e Swedenborg, o que é interessante, por ser o primeiro contacto com os mortos por ele próprio reconhecido. Todo o episódio pareceu visionário e não teve qualquer ligação com o notável futuro desse homem.

    Verificou maiores farsas a se agitarem em si mesmo e foi avisado de que, quando lhe faziam perguntas sérias, enquanto se achava emtranse_mesmérico, sempre respondia: “Responderei a isto em meu livro”. Aos dezenove anos sentiu chegado o momento de o escrever. A influência magnética de Livingstone, por isso ou por aquilo, parece que não era adequada para tal fim. Então foi escolhido o Doutor Lyoncomo novo magnetizador. Lyon abandonou o consultório e foi a New York com o seu protegido, onde procurou o Reverendo William Fishbough, convidando-o para servir de secretário. Parece que essa escolha intuitiva era justificada, pois este logo abandonou o seu trabalho e aceitou o convite. Então, preparado o aparelho, Lyon submetia diariamente o jovem a transes_magnéticos e suas manifestações eram registradas pelo fiel secretário. Não havia dinheiro nem publicidade no assunto, de modo que nem o mais céptico dos críticos poderia deixar de admitir que a ocupação e os objetivos desses três homens constituíssem um maravilhoso contraste com a preocupação material de fazer dinheiro que os rodeava. Eles buscavam o mais além. E que é o que podia fazer o homem de mais lie?

    Há que levar em conta que um tubo não pode conter mais do que lhe permite o seu diâmetro. o diâmetro de Davis era muito diferente do de Swedenborg. Cada um recebia conhecimento quando num estado de iluminação. Mas...

    • Swedenborg era o homem mais instruído da Europa,

    • enquanto Davis era um jovem tão ignorante quanto se podia encontrar no Estado de New York.

    • A revelação de Swedenborg talvez fosse a maior, posto que, muito provavelmente, pontilhada por seus próprios conhecimentos.

    • A revelação de Davis era, comparativamente, um milagre maior.

    O Doutor George Bush, professor de Hebraico na Universidade de New York, uma das testemunhas quando eram recebidas as orações em transe, assim escreve:

    • “Afirmo solenemente que ouvi Davis citar corretamente a língua hebraica em suas palestras,

    • e demonstrar um conhecimento de geologia muito admirável numa pessoa da sua idade, ainda quando tivesse devotado anos a esse estudo.

    • Discutiu, com grande habilidade, as mais profundas questões de arqueologia histórica e bíblica, de mitologia, da origem e das afinidades das línguas, da marcha da civilização entre as várias nações da Terra, de modo que fariam honra a qualquer estudante daquela idade, mesmo que, para as alcançar, tivesse consultado todas as bibliotecas da Cristandade.

    • Realmente, se ele tivesse adquirido todas as informações que externa em suas conferências, não em dois anos, desde que deixou o banco de sapateiro, mas em toda a sua vida, com a maior assiduidade no estudo, nenhum prodígio intelectual de que o mundo tem notícia, por um instante seria comparável com este, muito embora nenhum volume, nenhuma página tenha sido publicada.”

            Eis um admirável retrato de Davis na época. E Bush chama-nos a atenção para o seu equipamento, quando diz: “A circunferência de sua cabeça é demasiadamente pequena. Se o tamanho fosse a medida da fôrça, então a capacidade mental desse jovem seria limitadíssima. Os pulmões são fracos e atrofiados. Não viveu num ambiente refinado: suas maneiras eram grosseiras e rústicas. Não tinha lido senão um livro. Nada conhece de gramática ou das regras de linguagem nem esteve em contato com pessoas dos meios literários ou científicos”.

            Tal era o moço de dezenove anos, do qual jorrava então uma catadupa de palavras e de idéias, abertas à crítica, não por sua simplicidade, mas por serem demasiado complexas e envoltas em termos científicos, conquanto sempre com um fio consistente de raciocínio e de método.

            Vem a propósito falar do subconsciente, embora isto geralmente tenha sido tomado como idéias aparentemente recebidas esubmergidas. Se, por exemplo, o desenvolvido Davis pudesse recordar o que tinha acontecido em seus transes durante os seus dias de não desenvolvimento, teríamos um claro exemplo de emergência daquelas impressões sepultadas.

            Mas seria abusar das palavras falar de um inconsciente quando tratamos com alguma coisa que, por meios normais, jamais poderia alcançar qualquer extrato da mente, consciente ou inconsciente.

            Eis o começo da grande revelação psíquica de Davis, que se derramou, ocasionalmente, por muitos livros, todos compendiados pelo nome de “Filosofia Harmônica”.  Por sua natureza e por sua posição nos estudos psíquicos, deles trataremos noutro lugar.

            Nessa fase de sua vida, pretende Davis haver estado sob a influência direta da entidade que posteriormente identificou como sendoSwedenborg — nome muito pouco familiar naquele tempo. De vez em quando recebia um aviso, pela clarividência, “para subir a montanha”.Essa montanha se acha situada na outra margem do Hudson, oposta a Poughkeepsie. Aí na montanha pretende ele que se encontrava e conversava com uma figura venerável. Parece que não houve qualquer indício de materialização e o incidente não tem analogia em nossa experiência psíquica, salvo se — e temos que falar com toda a reverência — também o Cristo subiu a um monte e entrou em comunhão com as formas de Moisés e de Elias. Nisso a analogia parece completa. (Ver: Transfiguração de Jesus)

            Não parece que Davis tenha sido absolutamente um homem religioso, no sentido comum e convencional, embora se achasse saturado de farsas verdadeiramente espirituais. Seus pontos de vista, até onde é possível acompanhá-lo, eram de crítica franca em relação à revelação bíblica e, na pior das hipóteses, honesto, honrado, incorruptível, ansioso pela verdade e consciente de sua responsabilidade pela sua divulgação.

            Durante dois anos o seu subconsciente continuou ditando o livro sobre os segredos da Natureza, enquanto o consciente Davisadquiriu um pouco de auto-educação em New York, com ocasionais visitas restauradoras a Poughkeepsie. Tinha começado a chamar a atenção de algumas pessoas sérias e Edgar Allan Poe era um de seus visitantes. Seu desenvolvimento psíquico continuava e antes dos vinte e um anos tinha chegado a ponto de não mais necessitar de alguém para cair em transe; realizava-o sozinho. Por fim sua memória subconsciente se tinha aberto e ele se tornou capaz de abarcar o largo alcance de suas experiências. Foi então que se assentou ao lado de uma senhora agonizante e observou todos os detalhes da partida da alma, cuja magnífica descrição nos dá no primeiro volume de “A Grande Harmonia”. Conquanto sua descrição tenha aparecido numa separata, não é tão conhecida quanto deveria sê-lo. Um pequeno resumo deve ser interessante para o leitor.

            Começa ele por uma consoladora reflexão sobre os vôos de sua própria alma, que eram morte em todos os sentidos, salvo quanto a duração, e lhe haviam mostrado que a experiência era “interessante e deliciosa” e que aqueles sintomas que parecem sinais de sofrimento não passam de reflexos inconscientes do corpo e não têm significação. Diz então como, havendo-se jogado antes naquilo que chama de “Condição Superior”, havia observado as etapas do lado espiritual. “O olho material vê apenas o que é material, e o espiritual o que é espiritual”. Como, porém, tudo tem uma contrapartida espiritual, o resultado é o mesmo. Assim, se um Espírito vem a nós, não é a nós que ele vê, mas o nossocorpo_etérico, que é, aliás, uma réplica do nosso corpo material.

            Foi esse corpo etérico que Davis viu emergindo do envoltório de protoplasma da pobre moribunda, que finalmente ficou vazio no leito, como a enrugada crisálida, depois que a borboleta se libertou. O processo começou por uma extrema concentração no cérebro, que se foi tornando cada vez mais luminoso, enquanto as extremidades se tornavam escuras. É provável que o homem nunca pense tão claramente ou seja tão intensamente cônscio quanto depois que todos os meios de indicação de seus pensamentos o abandonaram. Então o novo corpo começa a emergir, a começar pela cabeça. Em breve se acha completamente livre, de pé ao lado de seu cadáver, com os pés próximo à cabeça e com uma faixa_luminosa_vital,_correspondente_ao_cordão_umbilical. Quando o cordão se rompe, uma pequena porção é absorvida pelo cadáver, assim o preservando da imediata putrefação. Quanto ao corpo etérico, leva algum tempo até adaptar-se ao novo ambiente, até passar pela porta aberta. “Eu a vi passar para a sala contígua, através da porta e da casa, erguer-se no espaço... Depois que saiu da casa encontrou dois Espíritos amigos, da região espiritual que, depois de um terno reconhecimento e de um entendimento entre os três, da mais graciosa das maneiras, começou a subir obliquamente pelo envoltório etéreo de nosso globo. Marchavam juntos tão naturalmente, tão fraternalmente que me custava imaginar que se equilibrassem no ar: pareciam subir pela encosta de uma montanha gloriosa e familiar. Continuei a olhá-los, até que a distância os fechou aos meus olhos”.  (Ver: Histogênese_espiritual; Duplo_etérico e Após a morte)

            Tal a visão da Morte, tal qual a percebeu A. J. Davis — muito diferente daquela treva horrível que por tanto tempo obsidiou a imaginação humana. Se isto é verdade, podemos voltar nossas simpatias para o Doutor Hodgson e sua exclamação:  “Custa-me suportar a espera”. Mas é verdade? Apenas podemos dizer que há muita evidência a corroborá-la.

            Muitas pessoas que caem em estado_cataléptico, ou que estiveram tão doentes que chegaram ao estado de coma, trouxeram impressões muito concordes com a descrição de Davis, posto que outras tivessem voltado com o cérebro inteiramente vazio...  (Ver: EQM)

    • Quando em Cincinnati, em 1923, o autor esteve em contacto com uma tal Mrs. Monk, que tinha sido, pelos médicos, dada como morta, e que durante cerca de uma hora havia experimentado a vida postmortem, antes que um capricho da sorte a devolvesse à vida, ela escreveu um pequeno relato de sua experiência, no qual recorda uma vívida lembrança de ter saído do quarto, exatamente como descreve Davis, e do fio prateado que continuava unindo sua alma viva a seu corpo comatoso.

    • Um notável caso foi publicado na revista Light, de 25 de março de 1922, no qual cinco filhas de uma senhora agonizante, todasclarividentes, viram e descreveram o processo da morte de sua mãe. Aqui também a descrição do processo era muito semelhante àquele descrito, posto haja algumas diferenças bastantes entre este último e outros casos para sugerir que a seqüência dos acontecimentos nem sempre é regida pelas mesmas leis.

    • Outra variante de extremo interesse encontra-se num desenho feito por uma criança médium, que pinta a alma deixando o corpo e é descrito no trabalho de Mrs. De Morgan, “Da Matéria ao Espírito”, página 121. este livro, com suas oitenta páginas de prefácio pelo célebre matemático, Professor De Morgan, é um dos trabalhos de pioneiro do movimento espírita na GrãBretanha. Quando se pensa que foi publicado em 1863, sente-se um peso no coração pelo sucesso daquelas farsas de obstrução, tão fortemente refletidas na imprensa, que tem conseguido durante tantos anos colocar-se entre a mensagem de Deus e a raça humana.

            A fôrça profética de Davis apenas pode ser desconhecida pelos cépticos que ignoram os fatos. Antes de 1856 profetizou detalhadamente o aparecimento do automóvel e da máquina de escrever. Em seu livro “Penetralia” lê-se o seguinte:

    • Pergunta: “Poderá o utilitarismo lazer descobertas em outra direção da locomoção?” 
      — “Sim: buscam-se nestes dias carros e transportes coletivos que correrão por estradas rurais — sem cavalos, sem vapor, sem qualquer fôrça natural visível — movendo-se com alta velocidade e com muito mais segurança do que atualmente. Os veículos serão acionados por uma estranha, bonita e simples mistura de gases aquosos e atmosféricos — tão facilmente condensados, tão simplesmente inflamados e tão ligados à máquina, que de certo modo se assemelha às nossas, que ficarão ocultos e serão manejados entre as rodas da frente. Tais veículos aqui terão muitos embaraços atualmente experimentados pela gente que vive em regiões pouco povoadas. O primeiro requisito para essas locomotivas de chão serão boas estradas, nas quais, com a sua máquina, sem cavalos, a gente pode viajar com muita rapidez embora esses carros me parecem de construção pouco complicada”.

    • A seguir perguntaram: 
      — “Percebe algum plano que permita acelerar a maneira de escrever?” 
      — “Sim. Quase me sinto inclinado a inventar um psicógrafo automático, isto é, uma alma escritora artificial. Pode ser construída assim como um piano, com uma série de teclas, cada uma para um som elementar; um teclado mais baixo para fazer uma combinação e um terceiro para uma rápida recombinação. Assim, em vez de se tocar uma peça de música, pode-se escrever um sermão ou um poema.

    • Do mesmo modo, respondendo a uma pergunta relativa ao que era então chamado “navegação atmosférica”, sentiu-se “profundamente impressionado” porque “o mecanismo necessário — para atravessar as correntes de ar, de modo que se possa navegar tão fácil, segura e agradavelmente quanto os pássaros — depende de uma nova força motriz. Essa força virá. Não só acionará a locomotiva sobre os trilhos, e os carros nas estradas rurais, mas também os veículos aéreos que atravessarão o céu, de país para país”.

    • O aparecimento do Espiritismo foi predito nos seus “Princípios da Natureza”, publicados em 1847, onde diz: 
      “É verdade que os Espíritos se comunicam entre si, quando um está no corpo e outro em esferas mais altas — e, também, quando uma pessoa em seu corpo é inconsciente do influxo e, assim, não se pode convencer do fato. Não levará muito tempo para que essa verdade se apresente como viva demonstração. E o mundo saudará com alegria o surgimento dessa era, ao mesmo tempo que o íntimo dos homens será aberto e estabelecida a comunicação espírita, tal qual a desfrutam os habitantes de Marte, Júpiter e Saturno”.

            Nesta matéria os ensinamentos de Davis eram definitivos, embora se deva admitir que uma boa parte de seu trabalho é vaga e difícil de ler, porque desfigurada pelo emprego de vocábulos longos e ocasionalmente inventados por ele. Entretanto são de um alto nível moral e intelectual, e pode ser melhor descrito como um atualizado Cristianismo, com a ética do Cristo aplicada aos problemas modernos e inteiramente coberto de quaisquer traços de dogmas. A “Religião Documentária”, como a chama Davis, em sua opinião absolutamente não é uma religião. Tal nome só deve ser aplicado ao produto pessoal da razão e da espiritualidade. Tal a linha geral do ensino, misturado com muitas revelações da Natureza, exposto em sucessivos livros da “Filosofia Harmônica”, a que se seguiram as “Revelações Divinas da Natureza”e que tomaram os anos seguintes de sua vida. Muitos de seus ensinos apareceram num jornal estranho, chamado “Univercoelum” e em conferências proferidas para dar a conhecer as suas revelações.

            Em suas visões espirituais, Davis viu uma disposição do universo que corresponde proximamente à que foi apresentada por Swedenborg, adicionada pelo ensino posterior dos Espíritos e aceita pelos espíritas. Viu uma vida semelhante à da Terra, uma vida que pode ser chamada semimaterial, com prazeres e objetivos adequados à nossa natureza, que de modo algum se havia transformado pela morte. Viu estudo para os estudiosos, tarefas geniais para os enérgicos, arte para os artistas, beleza para os amantes da Natureza, repouso para os cansados. Viu fases graduadas da vida espiritual, através das quais lentamente se sobe para o sublime e para o celestial. Levou a sua magnífica visão acima do presente universo e o viu como êste uma vez mais se dissolvia numa nuvem de fogo, da qual se havia consolidado, e, uma vez mais se consolidado para formar o estágio, no qual uma evolução mais alta teria lugar e onde uma classe mais alta se iniciaria do mesmo modo que algures a classe mais baixa. Viu que êsse processo se renovava muitas vêzes, cobrindo trilhões de anos e sempre trabalhando no sentido do refinamento e da purificação. Descreveu essas esferas como anéis concêntricos em redor do mundo; mas como admite que nem o tempo nem o espaço são claramente definidos em suas visões, não devemos tomar a sua geografia muito ao pé da Letra. O objetivo da vida é preparar para o adiantamento nesse tremendo esquema; e o melhor método para o progresso humano é livrar-se do pecado — não só dos pecados geralmente reconhecidos, mas também dos pecados do fanatismo, da estreiteza de vistas e da dureza, que são manchas especiais, não só na efêmera vida da carne, mas na permanente vida do Espírito. Para tal fim o retôrno a vida simples, às crenças simples e à fraternidade primitiva se tornam essenciais, o dinheiro, o álcool, a luxúria, a violência e o sacerdócio — no seu limitado sentido — constituem os maiores empecilhos do progresso humano.

            Há que admitir-se que Davis, até onde se pode acompanhar a sua vida, tenha vivido para as suas idéias. Era muito humilde, mas daquela matéria de que são feitos os santos. Sua auto biografia vai apenas até 1857, de modo que teria pouco mais de trinta anos quando a publicou. Mas dá uma descrição muito completa e por vêzes muito involuntária de seu íntimo. Era muito pobre, mas justo e caridoso. Era muito sério, mas muito paciente na argumentação e delicado na contradita. Fizeram-lhe as piores acusações, que êle recorda com um sorriso de tolerância. Dá uma informação completa de seus dois primeiros casamentos, tão originais quanto tudo o mais a seu respeito, mas que apenas depõem em seu favor. Desde a data em que termina “A Vara Mágica”, parece que levou a mesma vida, alternando leitura e escrita, conquistando cada vez mais prosélitos, até que morreu em 1910, na idade de oitenta e quatro anos. Passou os últimos anos de sua vida como diretor de uma pequena livraria em Boston. O fato de a sua “Filosofia Harmônica” ter tido umas quarenta edições nos Estados Unidos constitui uma prova de que a semente que lançou com tanta constância não caiu em terreno sáfaro.

            Para nós o que é importante é o papel representado por Davis no comêço da revelação espírita. Êle começou a preparar o terreno, antes que se iniciasse a revelação. Estava claramente fadado a associar-se intimamente com ela, de vez que conhecia a demonstração de Hydesville, desde o dia em que ocorreu. De suas notas tomamos a passagem seguinte, que traz a data significativa de 31 de março de 1848:

            “Esta madrugada um sôpro quente passou pela minha face e ouvi uma voz, suave e forte, dizer: “Irmão, um bom trabalho foi começado— olha! surgiu uma demonstração viva”. Fiquei pensando o que queria dizer semelhante mensagem. Era o começo do enorme movimento do qual participaria como profeta. Suas próprias fôrças, do lado mental, eram supranormais, do mesmo modo que as físicas o são do lado material. Elas se completam. Era, até o extremo de sua capacidade, a alma do movimento, e o único cérebro que tinha uma visão clara da mensagem, anunciada de maneira tão nova como estranha. Nenhum homem poderia receber aquela mensagem por inteiro, porque é infinita e cada vez se ergue mais alto, à medida que tomamos contacto com sêres mais elevados. Mas Davis a interpretou tão bem para os seus dias e para a sua geração que, mesmo agora, muito pouco pode ser adicionado às suas concepções.

            Tinha ido além de Swedenborg, embora não possuísse o equipamento mental dêste, para abarcar os seus resultados. Swedenborghavia visto o céu e o inferno, tal como Davis os vira e descrevera minuciosamente. Entretanto Swedenborg não teve uma visão clara da posição dos mortos e da verdadeira natureza do mundo dos Espíritos, com a possibilidade de retôrno, como foi revelado ao vidente americano. Tal conhecimento veio lentamente a Davis. Suas estranhas entrevistas com o que chamava de “Espíritos materializados” eram coisas excepcionais, das quais tirou conclusões importantes. Só mais tarde é que tomou contacto com os atuais fenômenos espíritas, cuja significação completa era capaz de ver. Êsse contacto não foi estabelecido em Rochester, mas em Stratford, no Connecticut, onde Davis foi testemunha dos fenômenos do Poltergeist, produzidos em casa de um clérigo, o Doutor Phelps, no comêço de 1850. O seu estudo conduziu-o a escrever um panfleto — Filosofia do Comércio com os Espíritos mais tarde desenvolvido num livro que encerra muita coisa que o mundo ainda não aprendeu. Algumas destas coisas, na sua sábia redução, devem ser recomendadas a alguns espíritas. “O Espiritismo é útil como uma vívida demonstração da existência futura”, diz êle. “Os Espíritos me ajudaram muitas vêzes, mas nem controlam a minha pessoa, nem a minha razão. Bondosamente podem realizar — e realizam coisas para os que vivem na Terra. Mas os benefícios só serão garantidos com a condição de que lhes permitamos tornar-se nossos mestres e não nossos donos — que os aceitemos como companheiros, mas não como deuses a quem devamos adorar Sábias palavras — é uma moderna verificação da observação vital de São Paulo, de que o profeta não se deve sujeitar aos seus próprios dons.

            Para explicar adequadamente a vida de Davis, há que ascender às condições supranormais.

            Mesmo assim, entretanto, há explicações alternadas, se forem considerados os seguintes fatos inegáveis:

    • 1. que êle proclama ter visto e ouvido a forma materializada de Swedenborg, antes que soubesse algo de seus ensinos;

    • 2. que alguma coisa possuía êsse jovem ignorante, que lhe deu muita sabedoria;

    • 3. que essa sabedoria cobriu os mesmos amplos e universais domínios que eram característicos de Swedenborg;

    • 4. mas representavam um passo à frente, de vez que adicionavam aquêle conhecimento do poder do Espírito, que Swedenborg deve ter atingido após a sua morte.

            Considerando êstes quatro pontos, então, não será admissível que Davis fôsse controlado pelo Espírito de Swedenborg? Bom seria que a estimável, mas estreita e limitada Nova_Igreja tomasse essas possibilidades em consideração. Se, porém, Davis ficar só, ou se fôr o reflexo de alguém maior que ele, resta o fato de que era um milagre, o inspirado, o culto, o deseducado apóstolo da nova revelação. Sua influência foi tão permanente que o conhecido artista e crítico Mr. E. Wake Cook, em seu notável livro “Regressão em Arte” classifica os ensinos de Davis como uma influência moderna que poderia reorganizar o mundo. Davis (1)

    1. Occult Review Fevereiro 1925

    Fonte: http://www.guia.heu.nom.br/andrew_jackson_davis.htm