Seguidores

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Luzes no mar

Em 4 de abril de 1901, nas útimas horas da noite, o capitão Hoseason, a bordo do vapor Kilwa , navegava pelo golfo Pérsico quando, de repente, viu surgir à superfície das águas uma larga esteira luminosa...

A esteira era de luminosidade fraca e extinguiu-se em quinze minutos, depois de ter movimentado-se a aproximadamente dez quilômetros por hora. O fenômeno provocou grande controvérsia porque naquele tempo não existia nenhuma técnica capaz de produzir tais efeitos. Quando muito, poderia ser o reflexo de raios do sol-nascente, mas ainda era noite.
J. W. Robertson, o capitão Avern e M. Manning, terceiro oficial do Patna, um navio a vapor da Companhia das Índias Britânicas, fizeram uma observação curiosa no Golfo Pérsico, em Maio de 1880, portanto na mesma região do globo. Numa noite extremamente escura, viram aparecer bruscamente sobre o mar, de cada lado do navio, duas enormes rodas luminosas que giravam sobre elas mesmas e cujos raios pareciam aflorar o navio de raspão. Esses raios mediam entre duzentos e trezentos metros de comprimento e distinguiam-se nitidamente os dezesseis raios que continha.
Sem outra luz visível no ar, por cima da água, aquela luminosidade fosforescente pareceu deslizar sobre a superfície do oceano. A aparência dos raios podia ser imitada exatamente agitando-se uma lanterna horizontalmente por cima da água e fazendo-lhe descrever círculos concêntricos.
As "rodas" escoltaram o navio durante cinco minutos...O testemunho dos três marinheiros foi publicado na revista Knowledge. Suscitou vigorosas críticas e uma observação interessante que dizia que, "se as indicações eram exatas, as rodas deviam deslocar-se pelo menos a cento e sessenta quilômetros por hora". Claro que nessa época isso podia parecer impossível, absurdo e os três homens passaram por alucinados, calúnia clássica neste gênero de assuntos. Podemos concluir que convém relatar apenas o que não choca ou não perturba as idéias feitas, se não quisermos expor-nos ao descrédito. Mas hoje em dia o problema já não se põe da mesma maneira, sobretudo se o fenômeno observado não puder ter outra origem do que dois "objetos" situados próximo da superfície do mar, de dimensões certamente colossais.
Costa do Malabar
A verdade é que outros testemunhos vieram contradizer as opiniões do mundo científico. Na região do golfo Pérsico, ao largo da costa do Malabar, um mês depois das observações feitas pelos três marinheiros do Patna, em Junho de 1880, um novo fenômeno foi presenciado pelo comandante Harris , do vapor Shahjehan. No meio da noite, com o mar calmo e céu limpo, viu sobre as águas uma coisa tão estranha que mandou parar o navio. Tratava-se de vagas extremadas de luz brilhante e de uma substância desconhecida que flutuava sem emitir luz, mas parecendo alvo de gigantescos raios luminosos. Como declarou o próprio comandante: "As ondas sucediam-se umas às outras num dos espetáculos mais grandiosos e mais solenes que se possa imaginar!"
Golfo de Oman
No golfo de Oman, sob os olhos de M.D. Carnegie surgiu um lençol luminoso e, segundo ele, fosforescente. Parecia tranqüilo. O navio aproximou-se até cerca de vinte metros, quando "raios ofuscantes atingiram a proa do navio a uma velocidade prodigiosa, que podemos calcular entre cem e duzentos quilômetros por hora. Recolhi um balde de água e examinei-a ao microscópio sem detectar nada de anormal", declarou ele. "Os raios pareciam vir das profundezas marinhas. Atingiram-nos primeiro pelo través e reparei que um navio vizinho não interrompia a sua trajetória : dir-se-ia que eles o atravessavam de lado a lado. . ."
No mês de março de 1931, vários marinheiros a bordo de uma canhoneira do Yang-tseu-iang fizeram tabém uma observação estranha no golfo de Oman . Enquanto o seu navio, o Doudart de Lagrée, se dirigia para Colombo e se encontrava entre Guardaful e as Maldivas, esses homens viram surgir das profundezas imensos raios luminosos de cor amarelada. Estes raios giravam à volta de um eixo situado a uma grande distância do navio.
Argentina
Outro fenômeno similar se deu na noite de 21 para 22 de outubro de 1963, em Trancas, na província do Tucuman, na Argentina . Objetos desconhecidos, momentaneamente imobilizados próximos de uma linha férrea , tinham projetados raios de luz vermelha com intensidade tão violenta que os habitantes das proximidades tiveram que se refugiar em suas casas, no interior das quais a temperatura começara a elevar-se de maneira inquietante. Mas de que espécie de engenho se tratava? De que natureza seriam estes raios que, segundo as publicações La Razon e Phénomènes Spatiaux, atravessaram as paredes, penetrando em quartos sem janelas e iluminando-os completamente?!
Estreito de Malaca
Em junho de 1909, o capitão Gabe, a bordo do navio Bintang, avistou no estreito de Malaca uma "esfera de luzes movediças", situada exatamente abaixo do nível do mar. Declarou depois que longos braços pareciam descrever círculos partindo de um mesmo núcleo e "este era tão grande que só se via uma parte, estando dissimulada pelo horizonte". O capitão Gabe assegurou-se de que essas luzes formidáveis não podiam ter outra origem senão o mar. O próprio Bintang não podia emitir tal luminosidade e, sobretudo, os braços em forma de raios de luz eram demasiado longos e a sua origem não estava no navio. Daí a pouco, a esfera imensa aproximou-se lentamente do paquete, atenuando-se e desaparecendo nas águas.
Ainda no estreito de Malaca, em 1907, M.S.C. Patterson, do vapor Delta, observou durante trinta minutos "raios que pareciam girar em torno de um centro, como os raios de uma roda: pareciam medir trezentos metros de comprimento. Depois observou-se, no Sul do mar da China, uma rotação de clarões: uma roda horizontal girando rapidamente por cima da água e produzindo um profundo sentimento de mal-estar sobre os que a presenciaram." Que poderiam ser estes gigantescos objetos imersos que emitem uma luminosidade tal que à superfice da água avista-se ainda o efeito dos seus raios luminosos, independentemente da distância a que se observam?
Nestas observações tudo indica uma velocidade de rotação fantástica. O oceano Índico também contém muitos enigmas e parece que nele se desenrolam estranhas atividades, não falando nas catástrofes naturais, tais como tremores de terra e maremotos. Existe no estreito de Malaca e de Java uma fossa abissal particularmente fértil em mistérios. Foi nestas paragens que, em 1984, o brigue português Santa Maria foi encontrado com a sua carga de cadáveres, assim como o inglês Abbey S, Hart. Também foi lá encontrado o navio de carga Ourang Medan em 1948 , e foi lá que, em fins de 1971, desapareceu completamente uma fragata indiana durante o conflito indo-paquitanês quando nenhum submarino se encontrava naquelas paragens; trata-se do Khukri , unidade especialmente equipada para a luta anti-submarina . O barco a motor Holchu sofreu a mesma sorte em fevereiro de 1953: descobriram-no competamente vazio à deriva e em perfeito estado . . . sempre no estreito de Malaca.
Devemos salientar que todas as observações mencionadas foram feitas em épocas diferentes, por pessoas que não se conheciam e que nas linhas gerais se assemelham muito, o que, em nosso parecer , destrói qualquer possibilidade de mistificação.
GASTON, Patrice. Desaparições Misteriosas - Editora Bertrand.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ADICIONE SEU COMENTÁRIO AQUI