Seguidores

sábado, 19 de setembro de 2009

O VALE DAS MÚMIAS DOURADAS - II


"Os conhecimentos dos sacerdotes de Heliópolis, ou de Saís, da boca dos quais Pitágoras e depois Platão, quando a Grande Pirâmide já era mais de duas vezes milenária, receberam, eram apenas um resíduo generosamente reconstituído pelos herdeiros da grande cultura desaparecida"

(Abade Moreux)

Segundo as reduzidas explicações oficiais e também de acordo com a opinião do Dr. Hawass, o impressionante mausoléu de Bahariya - também conhecido como "O Vale das Múmias Douradas" - seria "originário do Período Greco-Romano". Não acreditamos muito nisso, uma vez que existem diversas contradições. Primeiramente, os hieróglifos e símbolos arcaicos (muito anteriores portanto à escrita egípcia), espalhados por todos os lados e também nos sarcófagos não nos deixam mentir. Lembremos que no Período Greco- Romano a escrita hieroglífica tinha sido praticamente perdida e predominava a escrita cursiva, logicamente misturada aos idiomas grego e romano. Em segundo lugar, PORQUÊ exatamente esconder mais de 10 mil múmias (quase a populaçao inteira de uma cidade) a 380 quilômetros de distância das Pirâmides e em pleno deserto hostil, muito afastado aliás dos grandes centros que eram ocupados pelos gregos e pelo romanos, notadamente bem mais ao sul do Nilo. Não tem mesmo a menor lógica! Em terceiro lugar, COMO e através de QUAIS técnicas foram escavados, além de toda a região do oásis propriamente dito, esses imensos labirintos - que são além de tudo dotados de prodigiosas estruturas artísticas e arquitetônicas, como bem pode ser visto na foto acima?

Vários abrigos de sarcófagos, isolados, foram igualmente escavados na rocha bruta. COMO?

Nesta foto, o Dr. Hawass examina um deles. E cada uma dessas entradas, encerra um magnífico compartimento, contendo a respectiva tumba!

E você sabe quem exatamente descobriu todo esse imenso tesouro arqueológico? Não ria, mas foi um.... Jumento! Abdul Mojood percorria o deserto quando seu animal, o simpático (no bom sentido, é claro - ou você acha que este seu escritor favorito iria achar um jumento "simpático"?) bichinho aí da foto, que foi o herói da estória e quem sabe também da História, talvez cansado de ser explorado resolveu fugir e tropeçou, caindo em um buraco repentinamente exposto pelo vento. E esse buraco nada mais era do que uma abertura, situada no teto de uma dessas tumbas! O Governo Egípcio foi devidamente avisado, porém essa sensacional descoberta permaneceu secreta por durante três anos! E novamente aqui caberia a pergunta: - PORQUÊ?

E os belíssimos murais estão espalhados por todos os lados. Aqui, uma representação da Barca Solar, conduzindo o Deus RA - uma antiqüísisma tradição na religião egípcia. Preste atenção nos personagens à esquerda.

Outro mural nos mostra esta mesma antiqüíssima tradição religiosa, onde habitantes QUE DE MANEIRA ALGUMA SÃO GREGOS OU ROMANOS prestam adoração ao deus MIN - culto que por sinal remonta à noite dos tempos e principalmente ao chamado (e além de tudo remoto e desconhecido) Período Pré-Dinástico!

Além disso, sarcófagos belíssimos, elaborados no mais puro ouro (foto), nos mostram certos retratos que jamais foram gregos ou romanos. Por sinal, no tempo das suas dominações, que começaram no ano 332 A.D., os sarcófagos eram extremamente decadentes e toscos, simples arremedos, unicamente madeira (jamais metálicos) na qual se pintavam - e por sinal muito mal - os rostos dos aristocratas falecidos.

Afinal de contas, que estranha e desconhecida raça era mesmo essa, cujos impressionantes vestígios dourados parecem brotar do próprio solo quanto mais se escava? E a sua antigüidade é inegavelmente tanta que alguns sarcófagos fundiram-se através das eras com o solo arenoso ficando literalmente fossilizados, assim como nos mostra a foto acima!

E, finalmente, gostaríamos muitíssimo de saber a quem exatamente pertencem essas estranhas múmias, também encontradas em Bahariya e em compartimentos isolados, todas elas desprovidos de sarcófagos. Mas que cidadãos "Gregos e Romanos" mais estranhos e "diferentes" eram mesmo esses.....!!!!! E agora, observe com bastante atenção o curioso rosto da múmia à direita.

Porque você mesmo já viu em uma página anterior deste Site alguma coisa absolutamente idêntica, precisamente no bizarro e incompreensível rosto dessa estranha estátua, datada de cerca de 10 mil anos atrás e portanto relativa aos chamados tempos "pré-históricos", mostrando os detalhes de uma criatura absolutamente desconhecida que inclusive usa roupa do tipo metálico - logicamente uma entidade extraterrestre. É importante ressaltar que essa estatueta, originária de uma cultura pré-histórica desconhecida, foi encontrada em um outro continente e em um sítio arqueológico portanto BEM DISTANTE DO EGITO! E os arqueólogos a chamam de "O Homem com a Cabeça de Bagre", obviamente uma manifestação artística, ou de culto, dos primitivos habitantes do nosso planeta, que efetivamente só retratavam aquilo que viam. Tudo isso prova a sutil e mais marcante característica do Realismo Fantástico, um maravilhoso quebra-cabeças cujas peças esparsas sempre se encontram, em algum lugar mais adiante, tornando-se um mosaico comprensível, uma paisagem intensamente lógica..... Mas sempre, invariávelmente, única e tão-somente quando chega o seu devido tempo!

Um comentário:

  1. Extraordinário achado!
    Sou muito ligada a esse tipi de assuntos. Aacho que o passado tudo tem a ver conosco que vivemos hoje no planeta!

    ResponderExcluir

ADICIONE SEU COMENTÁRIO AQUI